domingo, 1 de maio de 2011

Episódio 2# - Parte 4

 Aonde ele quer me levar, estou atravessando as árvores agora vejo que elas formam uma espécie de cortina para um enorme campo. Ele está virado olhando para o nada, com as mãos no bolso, parece tenso. Fui para a frente dele, olhei nos olhos dele e disse com uma voz trêmula:
 - Eu já sei de onde tirou aquela força e rapidez toda.
 - E de onde foi?
 - Você é um vampiro.
 - E como pode ter certeza?
 - Você é filho do Dr. Karlio.
 - Mas eu sou filho adotivo dele.
 - Mas, eu já li mensagens particulares dele e da Alice, e eles diziam algo sobre isso. Você, Alice, Roselie, Emmett e Jasper são irmãos, devem ser todos vampiros. Apenas lógica.
 - Você é esperta. - segundos, eternos segundos de silêncio e - Ontem não pude evitar, eu tive que ir na sua casa.
 - Porque não entrou pela porta? Eu ficaria grata de poder conversar com você.
 - Está conversando não está?
 - Sim, mas ontem. Quando eu ainda não sabia de nada.
 - Me diz qual minha comida predileta.
 - Sangue humano.
 - O seu...
 - Porque? - minha voz estava super trêmula neste ponto e agente estava andando.
 - Não sei, mas eu preciso de você.
 - Tenho que confessar, eu sinto seu cheiro também, não sei se é seu suor, seu corpo ou qualquer coisa do tipo, mas você tem um cheiro que me dopa e eu preciso senti-lo a todo momento. A hora que senti seu cheiro exalando em quarto ontem, precisa de você ali, mas você foi embora.
 Ele estava pensativo, o que será que ele está pensando?
 - Ontem eu tinha que saber como você estava, precisava sentir seu cheiro e te proteger.
 Nisso ele virou e me pegou pela cintura. O meu rosto estava muito perto do dele, eu estava por um lado gostando daquilo, mas por outro com medo que ele não resistisse ao cheiro de sangue que meu corpo exalava.
 Ele se aproximou mais, e me beijou. Aai, eu só podia estar delirando. É como nada no mundo, tudo se acabou só ele existe nesse momento, queria que durasse para sempre, mas foi só eu pensar nesse sempre.. que ele parou me segurou pela cintura e sussurrou no meu ouvido, como se estive alguém nos ouvindo:
 - A aula vai começar em poucos minutos é bom agente ir para a sala. Química?
 - Sim.
 Ele me abraçou e fomos andando na direção a qual viemos, assim que atravessamos a cortina arbórea todos nos olhavam, tipo... o que eles estão fazendo juntos? Mas eu não estava ligando para o que eles pareciam pensar, para mim estar ali com o Edward era tudo que eu sempre quis e estava se realizando.
 - Estão todos olhando para agente. - eu disse.
 - Estão, mas de que importa?
 - Nada, eu só quero você - respondi com um sorriso e ele sorriu para mim.
 - Seus irmãos não parecem estar gostando de nos ver juntos.
Postar um comentário