domingo, 8 de maio de 2011

Episódio 2# - Parte 11

 Bom eu continuei conversando com Edward lá, depois eu vim aqui para a sala aonde estou. Essa aula é uma aula tecnica, porque o curso que eu faço é "Fotologia Integrado ao Ensino Médio", agente aprende a tirar fotos, a calibrar uma câmera, como ver o mundo e coisas do tipo. Essa aula é de como calibrar a câmera eles estão mostrando para que serve o ISO e isso demora muito eu já tive essa matéria quando eu estudava na França, 5 anos atrás.
 Enquanto a aula passa eu vou contar com um pouco mais de detalhes porque eu sinto estar em perigo, bem... "Logo que eu nasci eu já quase matei a minha mãe, porque eu nasci de 6 meses e teve que fazer uma cesária, dai e quase matei novamente por que meu médico falou que eu não nasci respirando, depois que colocaram uns aparelhos que eu comecei a respirar, lógico questão de segundos isso.  E como eu nasci antes da hora os meus ossos não estavam bem formados, eu estava na incubadora quando eu comecei a chorar e a me mexer nisso eu bati a cabeça numa das bordas da incubadora e consegui uma proeza, quebrar um osso do meu ouvido, é o menor osso do corpo humano e eu consegui dividir em dois, isso quase fez minha mãe e meu pai morrerem. Minha mãe ficou super doente e tal. Eu tive que fazer uma cirurgia para implantar um aparelho para mim poder ouvir, se não eu iria ficar surda.
 Depois quando eu tinha 3 anos minha mãe parecia estar sendo ameaçada de morte, um carro quase bateu no dela, mas papai conseguiu tirar ela do caminho, depois ela estava passando em frente a um banco e o banco foi assaltado naquele momento eu estava no colo da minha mãe, dai alguém pegou ela por trás e a fez de refém, dai o outro bandido que estava mais distante disse para o policia que se ele se mexesse ele atirava na minha mãe, sem querer o policial se desequilibrou e ele atirou ia ir bem na garganta da minha mãe, só que eu coloquei a cabeça na frente por impulso, e a bala atingiu eu, como eu tinha o tal aparelho auditivo a bala não causou tantos danos, mas até hoje ela não pode ser retirada.
 E 2 meses depois, na hora do jantar, estava eu e meu pai sentados na mesa e minha mãe lá em cima, papai estava me dando a janta e esperando mamãe descer para ele poder jantar com ela. Quando mamãe desceu a escada, não sei de onde saiu um adolescente que a empurrou escada abaixo, papai nem viu quem foi que empurrou só a viu rolando dai  quando ele foi descer as escadas para ajudar ela, o adolescente empurrou ele também. Eu comecei a chorar porque algo me dizia que eles estavam mortos e que não iam mais voltar, foi quando o adolescente olhou para mim e disse "Você é a próxima garota, não vou matá-la agora porque se não vão me pegar, mas você não me escapa" e saiu pela janela dos fundos, era como se só eu pudesse vê-lo, mas eu nem fiquei pensando nisso, como num ato desesperado com medo de morrer e sabendo que meus pais estavam mortos eu corri para o banheiro daquele andar mesmo peguei todos os remédios possíveis e coloquei-os na boca e dois minutos depois já estava dopada, meu corpo começara a adormecer peguei uma gillete e cortei os pulsos, liguei a torneira detei na banheira e dei tchau a vida...
Postar um comentário